Google+

quarta-feira, julho 30, 2014

Meu Brasil lindo e trigueiro...



Brasil, meu Brasil brasileiro, País do Futebol, Pátria de Chuteiras...
Um povo lindo e trigueiro e branco-de-leite e negro-de-chocolate e todo sorrisos e abraços e piratas e “gersons”.
E os 7x1 diante dos Alemães ...
Que foi isso? Para quê precisamos levar essa tremenda “lavada” dos tanques de guerra germânicos?

Somos metidos a besta, graças a Deus. Alguns de nossos visitantes se confessaram encantados com nosso sorriso fácil, nossos braços sempre prontos para o abraço e nosso inacreditável e delicioso arroz com feijão.
Nossa farofa (uma “areia” esquisita e irresistível) encanta gringos e troianos (desculpem o trocadilho de pé quebrado), mas é que de repente lembrei da Olimpíada, dos Jogos dos Deuses do Olimpo (que mais, bolas, quererá dizer “Olimpíada”?) E taí mais um “ato falho” no “bolas”.
Nossos homens se vangloriam das suas – lá deles – bolas. Um ex-presidente se orgulhava de ter “aquilo roxo”.
Bem, mas o futebol?
Será o esporte uma forma de sublimação da nossa natural belicosidade? Talvez, sei lá...
Promover festividades com abundância de comida, jogos e lutas (panis et cirsences) foi política adotada pelo Império Romano, que fornecia alimento e diversão para o povo, diminuindo, assim se acreditava, sua crescente insatisfação com os exageros tributários e os desmandos dos poderosos.
As atividades esportivas têm, ainda, a função de “drenar” nossa natural agressividade; ao assistir a um jogo de futebol nossas supra-renais aumentam a produção de adrenalina que nos enche de “machona” coragem e que quando nosso time perde faz querermos bater em quem estiver por perto.
{A adrenalina ou epinefrina é um hormônio simpaticomimético e neurotransmissor, derivado da modificação de um aminoácido aromático (tirosina), secretado pelas glândulas supra-renais, assim chamadas por estarem acima dos rins. Em momentos de "stress", as supra-renais secretam quantidades abundantes deste hormônio que prepara o organismo para grandes esforços físicos, estimula o coração, eleva a tensão arterial, relaxa certos músculos e contrai outros.
Quando lançada na corrente sanguínea, devido a quaisquer condições do meio ambiente que ameacem a integridade física do corpo (fisicamente, ou psicologicamente como a ansiedade), a adrenalina aumenta a frequência dos batimentos cardíacos (cronotrópica positiva) e o volume de sangue por batimento cardíaco, eleva o nível de açúcar no sangue (hiperglicemiante), minimiza o fluxo sanguíneo nos vasos e no sistema intestinal enquanto maximiza o tal fluxo para os músculos voluntários nas pernas e nos braços e "queima" gordura contida nas células adiposas. Isto faz com que o corpo esteja preparado para uma reação, como reagir agressivamente ou fugir, por exemplo. fonte: Wikipedia}
Nossa natural e necessária agressividade (energia para “caçar” a comida e para “cavar” a toca) cresce em volume como um tsunami e nos engolfa e afoga nosso precaríssimo bom senso, levando de cambulhada nosso equilíbrio mental, emocional e espiritual. E voltamos ao tempo das cavernas...
Depois do 7x1 é natural que se faça a “caça às bruxas”, mas isso achar e apontar “culpados” é mais ou menos como lançar uma cortina de fumaça e tirar o “nosso da reta”.
A derrota da nossa seleção não é fato banal que jogaremos no fundo de uma gaveta qualquer para voltar a lembrar e desejar o “hexa” daqui a quatro anos. Ela tem – acho – um significado mais profundo. Claro, o buraco é sempre mais em baixo...
O que é capaz de unir o nosso país, o nosso povo, ultrapassando todas as barreiras sócio-geo-político-religioso-culturais? O Futebol, meninos, o futebol.
Então já viu, né? O 7x1 é um recadinho doloroso pra caramba para todos nós, brasileiros. Parece até que desenvolvemos a “síndrome do morrer na praia”. Temos jogadores formidáveis, disputados e regiamente pagos por times estrangeiros. Muitos de nossos craques de ontem são treinadores respeitados em vários países pelaí.
Ouso acreditar que fomos nós – os brasileiros – que demos ao futebol a qualidade de “Cidadão do Mundo”. Ora, quem mais é “Penta”? hein? hein?
Todos os países do mundo, incluindo o País Natal do futebol, devem a nós, brasileiros, a transformação do “nobre esporte bretão” na mais popular, democrática e galvanizadora atividade coletiva.
Quem já assistiu ao vivo a um belo jogo de futebol certamente sentiu que a vibração da torcida é muito maior que a simples soma das vibrações individuais. E “vibração” é energia, energia pura, daquela de remove montanhas, que faz chover...
E nós, meninos, somos capazes de criar essa poderosa e assustadora energia quando nos unimos em torno de um bando de garotos correndo atrás da redondinha...
E quando nos unirmos em torno de outras coisas? O que pode acontecer?
E...antes que me esqueça, Emmanuel, o querido Espírito mentor de Chico Xavier disse a ele, Chico, que sua desencarnação ocorreria quando o Brasil todo estivesse feliz.
Que dia foi esse? Foi, minhas queridas crianças, o dia em que o Brasil conquistou o Penta.
Então o futebol é muito mais do que “mero” esporte... Ou não?
Bão... como diria Riobaldo... “...eu nem num sei di quasi nada não, mai disconfio di umas coisa...”