Google+

terça-feira, dezembro 31, 2013

Como nos entregamos ao "outro" ?

Bem que se quis... (Marisa Monte)
Quando entregamos nosso coração (claro que o "entorno" vai junto... rsrsrsrs) o que mais vai no "pacote" ?
Depende... algumas pessoas se entregam "a varejo" enquanto que outras se entregam "por atacado". Seja como for, quando nos entregamos "nos damos de presente" ao outro e, como é sabido, o presente é entregue sem especificações técnicas, manual de instruções, prazo de validade ou termo de garantia. Se for acompanhado das "especificações técnicas" é quase certo que seja devolvido imediatamente rsrsrsrsrs.
Quem nos "ganha" de presente pode estar se tornando um "feliz possuidor" de um "cavalo de Tróia" - aquele da Guerra de Tróia, não o trelelê de computador... cabeção...

O que esperamos em "troca" do nosso presente? Provavelmente um montão de bobagens oníricas impossíveis de qualquer humano realizar. "Só" queremos que ele seja "tudo" para nós.
De vez em quando a frase de uma música mete o bedelho em meus pensamentos. A frase que me fez dizer essas coisas é "Vem me fazer feliz porque eu te amo..." (Djavan gravou, mas não sei se compôs também)
Repito " Vem ME fazer feliz porque EU TE amo".
Percebeu o "presente de grego"? Caramba, o "fulano" "me ama" e eu é que tenho a obrigação de fazê-lo feliz?
Isso não é ser amado. Isso é ser sujeitado a um contrato de "doação com encargo" hihihihi (desculpem o juridiquês, embora aposentada, ainda sou advogada , mesmo quando não mais seja, continuarei a ser bacharel em direito...)
O "amor" das pessoas "carentes" (não estou me referindo a nada material, por isso as aspas) é uma "mistureba" de sentimentos que eu não chamaria de amor, se as opções não fossem tão... deselegantes..
Trata-se de um tipo de jogo em que fatalmente ambos os jogadores terminam muito, muito feridos. E com os corações cheios de ressentimento.